Maria Beatriz Furtado
Eventos
Artigos
Eventos
Pós UFC Lincoln

Pós UFC Lincoln

Mais um Fight Night pra conta, com direito a reviravolta e resultados divididos.

A noite começou com o brasileiro Rani Yahya conseguindo ganhar por finalização de Luke Sanders logo no primeiro round, colocando em jogo a falta de devida atenção na organização. 

Drew Dober não surpreendeu ganhando por decisão unânime de Jon Tuck na segunda luta da noite.

Já a próxima brasileira a entrar no octógono, Kalindra Faria, não conseguiu o mesmo feito ainda indo para o chão, onde seria o forte dela, e acabou sendo surpreendida por Joanne Calderwood, que finalizou com uma chave de braço, mesmo por baixo, coisa que nunca tinha feito antes na carreira, sempre com foco na luta em pé. Sendo assim, Kalindra ficou com sua terceira derrota seguida desde que entrou para o UFC, complicando seu futuro.

Mickey Gall angariou mas uma finalização no primeiríssimo round, dessa vez sobre George Sullivan, mantendo assim 100% de suas vitórias dessa maneira. Ainda arriscou pedir seu próximo oponente como Sage Northcutt ou Diego Sanchez.

Markus Maluko acabou fazendo uma luta bem disputada com Andrew Sanchez, mas perdeu por decisão unânime (29-28). Há quem diga que ele ganhou dois rounds. 

Iuri Marajó fez uma luta eletrizante, mas com uma baite reviravolta contra ele. Ainda no primeiro round, ele estava praticamente com a luta na mão, ou com o "braço na mão" de seu oponente Cory Sandhagen. Quando muitos de nós achávamos que ele já tinha quebrado, ou machucado de alguma forma seu braço,  conseguiu se livrar da posição depois de vários segundos. Foi realmente de dar aflição, mas Cory conseguiu dar a volta por cima e ainda quase nocautear Marajó nesse mesmo round. O paraense aguentou no começo, mas o inevitável nocaute veio no segundo round quando já estava tonto e não tinha mais reação para se defender, fazendo com que o árbitro interrompesse a luta.

Mais uma derrota para o Brasil com Warlley Alves sendo nocauteado ainda em pé, depois de uma joelhada brutal que pegou limpa em cheio. Foi seu primeiro nocaute na carreira. Já seu adversário James Krause conquistou sua quinta vitória consecutiva.

Abrindo o card principal, Erik Anders conseguiu um nocaute já no final da luta, no terceiro round. Quando a gente até estava meio desacreditado pelo ritmo da luta, de repente surgiu um chute, inclusive polêmico, pois foi logo que o Tim Williams estava levantando, exatamente depois que ele tirou a segunda mão do chão. Foi comentada a questão da legalidade do golpe, mas ele estava apenas com as pontas dos dedos tirando e as regras também mudam de estado para estado lá nos EUA, então ficou tudo certo, nocaute para a conta. Mas mesmo assim, luta meio morna no geral. Esse final que deu uma salvada.

Fechando o time brasileiro, Deiveson Figueiredo conseguiu a segunda vitória para nós, com um belíssimo nocaute para cima do sexto no ranking, John Moraga, fazendo assim subir muito sua posição. Aproveitou para mandar um recado para o matchmaker da organização, dizendo que "chegou nas cabeças" da divisão e também pediu bônus. Tá com tudo o "Deus da guerra" , que ficou com o card de 15-0.

Jake Ellenberger se aposentou, deixando suas luvas, infelizmente após levar um nocaute ainda no primeiro round de Bryan Barbarena, o Bam Bam. Jake declarou que não havia melhor lugar para encerrar sua carreira que em Nebraska. 

Luta bem equilibrada entre as meninas Cortney Casey e Angela Hill, refletindo no resultado em decisão dividida para Casey. 

Hora do co-main event, que não foi nada de empolgante, diga-se de passagem. Outra decisão dividida, mas bem controversa. Eu mesma achei que seria unânime para André Fili, quando foi dividida estranhei um pouco mas tudo bem, até ver que era para o Michael Johnson (rs). Luta meia boca, mas pelo menos MJ deu uma limpada em seu cartel que tava bem ruinzinho. Essa ideia de mudar de divisão talvez não tenha sido uma boa. Vamos aguardar seus próximos passos.

Agora sim! Sabia que Justin Gaethje não ia decepcionar, mas não imaginava que ia ser tão rápido! Nocaute brutal sobre James Vick, que ele caiu e ficou sem rumo, demorou muito para se levantar. Sensacional, Justin compensando suas duas últimas derrotas (que ainda assim foram excelentes lutas né). O mais legal foi no fim da luta, na entrevista no octógono quando ele respondeu às perguntas dizendo que realmente não gosta de Vick e queria mesmo nocauteá-lo daquela forma. Todos passam tanto tempo fazendo o trash talk antes da luta e quando chegam no dia sempre ficam de abraços e beijos, como se nada tivesse acontecido. Entendo que seja para efeito promocional, mas existe um limite, e tem alguns que o ultrapassam, se não significam aquilo mesmo o que dizem. Justin pelo menos foi autêntico do começo ao fim. Ou não?

Até o póximo evento! ;) 

05.jpg03.jpg002.jpg

Maria Beatriz Furtado
Paulista, bancária se aventurando no mundo da escrita, sobre um assunto que tanto gosta,MMA, com a maior espontaneidade possível.