Seiichi Hissamura
Memória MMA
Artigos
Memória MMA
PEDRO RIZZO vs. TANK ABBOTT

PEDRO RIZZO vs. TANK ABBOTT

 Memoria%20P_%20interno.jpgPedro Rizzo vs Tank Abbott. Uma luta épica em um tempo onde não existiam muitas regras e divisões de peso, em um esporte que ainda se chamava Vale-Tudo.

Mas antes, vamos conhecer um pouco melhor uma das lendas do MMA brasileiro.

Pedro Augusto Rizzo nasceu em 3 de maio de 1974 no Rio de Janeiro, filho de família tradicional e criado no Leblon, bairro nobre da Zona Sul da cidade. Seu pai era faixa-marrom de judô e o matriculou na modalidade. Na adolescência, seu pai, engenheiro, foi transferido para Salvador, e a família foi junto. Lá, Pedro começou a praticar capoeira, pela qual se apaixonou. Dentro da capoeira, conheceu Azeite, que o apresentou a Marco Ruas, já considerado um dos melhores lutadores do país e que futuramente se consagraria como campeão do UFC 7 e precursor do treinamento de variadas artes marciais, que transformaria o Vale Tudo em MMA. Através de Ruas, Pedro começou a praticar muay thai e, mais tarde, a luta livre. Tudo em segredo: sua família não aprovava o Vale Tudo, e o jovem treinava escondido.

Em 1992, competiu pela primeira vez no Campeonato Carioca de Muay Thai, e passou a treinar também com Luiz Alves na academia Boxe Thai. Com o sucesso que foi obtendo no circuito da modalidade, decidiu abandonar a faculdade de veterinária, que havia cursado por três anos, e partir para a Europa, onde montou sua base na Holanda. Após conquistar alguns títulos, Rizzo seguiu os passos de seu mestre Ruas, foi treinar em Los Angeles e estreou no Vale Tudo em 26 de outubro de 1996, no IMA: Battle of Styles, na Holanda, com vitória por nocaute técnico sobre Eric Labaille.

Em seguida, Pedro Rizzo voltaria ao Brasil, onde venceria quatro lutas consecutivas pelo World Vale Tudo Championship (WVC), incluindo um torneio de uma noite que o tornaria campeão peso-pesado. Com o título e o apoio de Marco Ruas, o carioca recebeu o convite para lutar no UFC, que faria sua estreia no país em 16 de outubro de 1998, em São Paulo. O adversário seria Tank Abbott, nome já estabelecido na organização e que havia derrotado Hugo Duarte, um dos ídolos de Rizzo. Na semana da luta, durante treinos no Rio de Janeiro, o carioca sofreu um corte abaixo do olho que demandou pontos para fechar. Com medo de não ser liberado pelos médicos, Rizzo fechou a lesão com supercola e foi para a luta.

A luta começou num ritmo alucinante e kamikaze para os dois lados, com os dois lutadores se golpeando com socos potentes, mas já dava para perceber que, embora houvesse a grande diferença de peso entre os dois, o brasileiro absorvia melhor a força dos golpes que recebia do que o americano.

Rizzo então começou a lutar mais estrategicamente, e a exemplo de seu mestre na luta contra Paul Varelans (nossa última matéria aqui do Memórias), passou a sequenciar socos e os potentes e temidos chutes nas coxas. Abbott era mais "malandro' e brigador do que Varelans, e ainda assim conseguiu contra golpear algumas vezes os chutes que recebia de Rizzo com overhands, mas conforme ia recebendo mais e mais chutes, a sua base já ia ficando comprometida, e além dos chutes, os socos do brasileiro começaram a entrar também. Nem as investidas nas quedas funcionariam, chegando a beirar o ridículo.Acabou nocauteando Abbott com 8m07s, numa de suas vitórias mais marcantes.

"Tinha uma briga entre a luta livre, o muay thai e o jiu-jítsu. Lembro que entrei para lutar, o Canindé estava lotado e a gente começou a lutar. A medida que a luta foi transcorrendo e eu comecei a bater no Tank, o ginásio inteiro começou a gritar, "Rizzo, Rizzo!" Pensei, "Aquela rivalidade acabou, agora é Brasil. Isso me marcou muito, vi pessoas que considerava "inimigos", do jiu-jítsu, sentados na primeira fila e torcendo por mim" Lembra Pedro.

Foi com Marco Ruas que Pedro Rizzo aprendeu os chutes baixos, que se tornariam sua marca registrada.

Abaixo o video dessa luta:

O Memória do MMA fica por aqui, uma ótima semana a todos e até segunda-feira que vem!

Seiichi Hissamura
Paulista, ex atleta profissional, treinador de lutas e artes marciais. Responsável pelas análises técnicas.