Maria Beatriz Furtado
Eventos
Artigos
Eventos
Confiram como foi o Bellator 192

Confiram como foi o Bellator 192

s%20r%20bellator%20mat.jpg  

Sábado prometeu e cumpriu!

Além do grande UFC 220, tivemos Bellator 192, que não ficou para trás. O evento só cresce e é um espetáculo a parte. Com seu layout 2018, e a promessa de vir ao Brasil, iniciou muito bem a temporada. Teve estréia do Big John Mccarthy como comentarista, recém aposentado da arbitragem, que além de entender ainda é praticante de lutas. E é claro, teve a apresentação do maravilhoso GP dos pesados (sim, eu estou muito animada!), contando com a presença dos participantes em uma espécie de cerimônia.  Afinal, aquela entrada com a passarela que eles têm faz toda a diferença, assim como o hino interpretado ao vivo nos grandes eventos. Faz parte do show.

No card preliminar, tivemos os brasileiros Guilherme Bomba, que ganhou com uma finalização, e Khonry Gracie, filho do grande Royce, que já não teve a mesma sorte e não conseguiu impor seu jiu-jtsu, perdendo por decisão para Devon Brock, ambos estreantes. Ainda no mesmo card,  pudemos ver um nocaute técnico iniciado por um spinning back (chute rodado para trás) do Joey Davis contra Ian Butler. Joey fez sua terceira luta no evento, saindo de todas com vitória.

Já no principal, o novato Aaron Pico conseguiu uma bela vitória sob Shane Kruchten, acertando em cheio um golpe no fígado, enquanto Michael Chandler se mostrou novamente um excelente gladiador, dominando os três rounds da luta com Goiti Yamauchi.

A noite continuou com a luta de estréia do GP dos pesados: Chael Sonnen x Rampage Jackson. Nada mais manjado que o Sonnen iria fazer seu jogo de amarrar, a questão era saber se Rampage deixaria ou conseguiria se sobressair acertando seus golpes potentes. E a resposta foi não. Chael até mostrou seu boxe no começo, inclusive Rampage que o derrubou primeiro, surpreendentemente, mas não soube aproveitar o momento e o resto da luta foi dominada pelo wrestler falastrão, que segue para a semifinal com o vencedor da disputa entre Fedor Emelianenko ou Frank Mir. Ao final da luta ainda deu um recado para eles: Nenhum dos dois é o melhor, mas um é o próximo. Bem a cara dele, não é?

Quanto à disputa de cinturão, infelizmente não deu para o brasileiro. Após uma batalha de cinco rounds contra o monstro Rory Macdonald, Douglas Lima saiu sem levar o cinturão de volta para a casa. Já no começo, Rory quis levar a luta para o chão, mas Douglas soube se defender bem, o que acabou frustrando o novo campeão. Passou a maioria do tempo assim, no jogo ground and pound, travando a luta, com momentos inclusive obrigando o árbitro a fazer uma intervenção e voltar para a luta em pé. A partir do terceiro, Macdonald já não tinha mais a mesma movimentação, fazendo com que Lima crescesse no jogo, com um bom quarto round também, onde a canela do desafiante já estava destruída, bem inchada. Mas no quinto,  Lima já deixou ser derrubado e o passou inteiro sendo dominado, levando a um final por decisão unânime. Rory Macdonald, novo campeão, afirmou ter sido a luta mais dura que ele fez até o momento.

Confira todos os resultados: 

CARD PRELIMINAR:

Johnny Cisneros  venceu Marlen Magee por finalização no 3º round

Guilherme Bomba venceu Ivan Castillo por finalização no 1º round

Devon Brock venceu Khonry Gracie por decisão unânime
Jose Campos venceu Haim Gozali por decisão unânime
Joey Davis venceu Ian Butler por nocaute no 1º round

 

CARD PRINCIPAL:

Henry Corrales venceu Georgi Karakhanyan por decisão unânime

Aaron Pico venceu Shane Kruchten por nocaute no 1º round

Michael Chandler venceu Goiti Yamauchi por decisão unânime

Rory MacDonald venceu Douglas Lima por decisão unânime

Chael Sonnen venceu Quinton Rampage Jackson por decisão unânime

 

Maria Beatriz Furtado
Paulista, bancária se aventurando no mundo da escrita, sobre um assunto que tanto gosta,MMA, com a maior espontaneidade possível.